Just another WordPress.com site

Portal Uol

O PDT entrou nesta quarta-feira (2) com um mandado de segurança no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pedindo que seja anulado o registro do partido Solidariedade, concedido na semana passada pela Corte.

O argumento do PDT é que houve ilegalidades no processo que deu origem à legenda, incluindo a contabilização de assinaturas falsas.

O PDT acusa o líder do novo partido, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SP), conhecido como Paulinho da Força e que era justamente filiado ao PDT, de usar a estrutura de sindicatos para falsificar as assinaturas, que são uma exigência para a criação de partidos.

“Nosso inconformismo e nossa legítima insurgência decorre dos métodos fraudulentos adotados por seu mentor, Paulo Pereira da Silva, e o seu grupo sindical, utilizando-se da estrutura da Central Sindical a que está inextricavelmente ligado (…) para estruturar seu novo partido, fazendo uso de assinaturas falsificadas, listagens de servidores do legislativo e de outras categorias sindicalizadas que sequer suspeitavam que seus nomes estavam sendo usados”, diz o mandado de segurança.

O PDT pede que o caso seja analisado em regime de urgência sob a justificativa de que poderá ser diretamente afetado pela criação do Solidariedade, uma vez que o deputado deixou o partido e poderá levar outros nomes para a nova sigla, fazendo com o que o PDT perca recursos do fundo partidário e tempo de TV.

Em nota à imprensa, Paulinho afirma que o PDT agiu em “um ato de claro desespero” ao ingressar com o mandado de segurança no TSE.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Tag Cloud

%d bloggers like this: