Just another WordPress.com site

Folha SP

Verônica Hipólito treina na pista de atletismo do Sesi, em Santo André, região metropolitana de São Paulo

Verônica Hipólito, 17, foi campeã mundial de para-atletismo, este ano, após sofrer um acidente vascular cerebral.

Mesmo que eu force muito, as lembranças não vêm.

As memórias mais antigas que me surgem são de quando tinha 13 anos, sempre relacionadas a algum esporte.

Pelo que me contam, eu praticava ginástica olímpica, natação e judô. Uma foto no meu quarto mostra que eu fui a goleira menos vazada em um campeonato de futsal.

Eu vou ser bem sincera: depois que tive o AVC (acidente vascular cerebral) em 2011, então com 14 anos, não lembro de muita coisa que tinha me acontecido antes.

Por causa do incidente, o lado direito do meu corpo ficou paralisado, do ombro ao quadril. Por sorte, tive uma recuperação rápida e não passei por cirurgia.

Mas o AVC deixou marcas. Logo depois de sofrê-lo, eu tinha espasmos bem fortes no meu braço. Apertava o braço e tentava fazê-lo parar, mas isso nunca dava certo.

As sequelas da lesão me fizeram esquecer de amigos, de familiares e até do conteúdo escolar. Comprometeram minha fala. Multiplicações simples se tornaram difíceis para mim. E olha que me contam que eu era uma aluna aplicada, mas não adiantou.

Tive de reaprender tudo, de português a inglês. Só que nunca mais voltei a ser aquela aluna exemplar de antes.

Encontrei conforto no que escrevo e no que leio. Criei uma espécie de diário com folhas de sulfite e de fichário, no qual marco fatos, o que aconteceu e quem me contou.

Para me acalmar, também escrevo histórias sobre certas pessoas que vejo. Invento pseudônimos. Tento entender a alegria das pessoas.

Bem ou mal, o AVC me fez mudar. Diziam que eu era arrogante, rabugenta.

Hoje, com 17 anos, dizem que sou mais afável. Também virei uma atleta mais forte.

Alguns meses depois do acidente, voltei a correr. A convite de uma amiga, fiz um teste no Sesi de Santo André.

Passei e entrei na equipe olímpica. Mas meu treinador, Daniel Lopes, também trabalhava com paraolímpicos e percebeu que, conforme eu corria, mostrava características de atleta com deficiência.

Já no final de 2012, começamos a tentar entrar no paraolimpismo, mas para isso eu precisava obter uma classificação funcional [quando um atleta é avaliado por especialistas e tem sua categoria paraolímpica definida].

O processo todo só acabou em abril deste ano. Fui classificada como da divisão T38 do atletismo. Ela abrange quem tem doença neurológica, como um AVC, e atletas com paralisia cerebral ou com um trauma encefálico.

Logo na primeira competição que fiz, bati um recorde brasileiro. Isso mostrou que eu estava bem posicionada para tentar feitos maiores.

O Mundial de para-atletismo em Lyon, na França, em julho passado, foi a estreia em eventos internacionais. Eu e meu técnico pensávamos que dava para ir bem, mas não esperávamos tanto.

Fui medalha de ouro nos 200 m rasos, prova em que não era favorita. Bati o recorde mundial dos 100 m na semifinal e virei a favorita, mas perdi a decisão.

Em outubro, disputei os Jogos Parapan-Americanos de jovens em Buenos Aires, na Argentina, e ganhei três medalhas de ouro.

Sonho com os Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, mas antes lido dia a dia com um outro desafio.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Tag Cloud

%d bloggers like this: