Just another WordPress.com site

Câmara dos Deputados

Não houve acordo na audiência pública, desta terça-feira, da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústira e Comércio da Câmara dos Deputados que discutiu a cobrança de Imposto Sobre Serviços (ISS) nos serviços de cartões de crédito e débito no local onde a operação financeira é realizada.

De um lado, entidades financeiras e representantes de capitais defendiam que a pulverização do recolhimento do tributo dificultaria a fiscalização, tornaria o sistema ainda mais complexo para as empresas e poderia comprometer até a formalização financeira do País. De outro, representantes dos municípios pediam justiça tributária.

A Lei atual (LC 116/03) determina que o ISS deve ser cobrado no local do estabelecimento prestador do serviço, ou seja, na sede da empresa do cartão de crédito.

“Cidades têm direito”
O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) explicou que isso já aconteceu com os tributos recolhidos nos postos de pedágio. Ele é autor de proposta (PLP 34/11) que estabelece que o ISS decorrente do uso de cartões de débito e crédito seja recolhido aos cofres dos municípios onde ocorrem as vendas presenciais de qualquer bem.

O parlamentar ressaltou que os tributos eram destinados à cidade onde a praça estava. Hoje, são distribuídos por todas as cidades por onde passa a estrada. Ele acrescentou que não importa se a cidade vai receber pouco, como argumentaram os defensores da lei como atualmente está.

Para ele, se há R$ 1, ele deve ir para a cidade que tem direito a ele. “O objetivo do projeto é uma luta: descentralizar poder e recursos. Nós estamos vivendo no Brasil, onde se centraliza quase 80% do que se arrecada no País. E se formos buscar isso para estados e municípios, vamos encontrar os maiores municípios com grande parte desses recursos.”

Dificuldade de fiscalização
O presidente da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais e representante da Frente Nacional de Prefeitos, Roberto Luz Bertoncini, afirmou que a mudança dificultaria a fiscalização e diminuiria a receita.

Sua posição foi apoiada pelo diretor de programas da Secretaria Executiva do Ministério da Fazenda, Manoel Nazareno Procópio. Bertoncini ainda alertou que a medida traria grande confusão aos departamentos jurídicos das empresas, que teriam de lidar com a legislação de ISS de todos os municípios do País.

Para o diretor-executivo da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços, Ricardo de Barros Vieira, isso aumentaria os custos, que seriam repassados. Ele acredita que a mudança poderia gerar um retrocesso na formalização do setor de pagamentos.

“Paraísos fiscais”
O consultor da Confederação Nacional dos Municípios, Wesley Rocha, afirmou que as sedes das empresas de cartão ficam em cidades que são verdadeiros paraísos fiscais, que cobram alíquotas de ISS muito baixas e, por isso, as empresas querem concentrar lá seu recolhimento.

Mas, nesse sentido, o relator da proposta, deputado Guilherme Campos (PSD-SP), afirmou que não pode concordar com uma mudança que aumentaria a carga tributária. “Eu não tenho coragem de aprovar um projeto que hoje tiraria de uma base de cálculo com 2% de contribuição, transferindo essa liberalidade para os municípios, podendo chegar a 5%.”

Tramitação
A proposta que transfere a cobrança do ISS para os municípios onde estejam instalados os terminais de venda será analisada pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Fiscalização Financeira; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, será votada pelo Plenário.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Tag Cloud

%d bloggers like this: