Just another WordPress.com site

Líquido azul acabou indo para o Rio Emboguaçu -Foto: Hugo Harada / Gazeta do Povo

Diário do Estado/Derick Fernandes

Os prejuízos do incêndio em Paranaguá foram bem além de apenas danos materiais: Danos ambientais também foram causados, pelo menos é o que informa o Instituto Ambiental do Paraná e Departamento de Vigilância em Saúde do Município.

De acordo com nota oficial da Vigilância em Saúde, a recomendação é para que pessoas que residam ou trabalhem em um raio de um quilômetro de distância do local do incêndio na empresa Brasmar, na Vila do Povo na madrugada da última quarta-feira (15), que tiverem algum sintoma ou problema respiratório, deve procurar uma Unidade de Saúde com rapidez para apoio médico.

O departamento ainda alertou que em um período de 15 dias, não seja consumido nenhum peixe capturado no Rio Emboguaçu e também que os moradores não façam contato com a água do rio. O órgão informa que o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) vai produzir um laudo atestando a gravidade do produto químico de cor azul claro que foi parar no manguezal existente na região, contaminando a água.

Empresa não tinha licença do Corpo de Bombeiros

Em reportagem divulgada pela RPC TV nesta quinta-feira, a APMT Brasmar não tinha licença do Corpo de Bombeiros, portanto não poderia estar funcionando devido a presença de materiais inflamáveis como o algodão e bobinas de papel. A Brasmar não se manifestou oficialmente sobre o fato novo, apenas informou que a respeito dos danos ambientais, nenhum material é nocivo, contrariando o Corpo de Bombeiros que em nota classificou o líquido azul como produto químico (IMPREG B/ MN/ ZN (mistura de Etileno Glicol, Óxido de Zinco e Hidróxido de Potássio), certamente nocivo á saúde.

 

Incêndio começou por volta das 2h15 da madrugada de quarta-feira (15) - Foto: Diário do Estado

Incêndio começou por volta das 2h15 da madrugada de quarta-feira (15) – Foto: Diário do Estado

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) informa que técnicos e fiscais continuam o trabalho de investigação e levantamento dos impactos ambientais gerados pelo incêndio, ocorrido nessa quarta-feira (15), em um depósito, em Paranaguá. Ao final desse trabalho, os responsáveis sofreram todas as sanções cabíveis previstas em legislação, que pode variar de notificação à embargo das atividades, e deverão fazer a recuperação ambiental do local impactado pelo acidente.

A empresa dona do armazém, APMT Serviços Retroportuários LTDA, com nome fantasia de BRASMAR, não possuí Licenças Ambientais de Operação, que permite o seu funcionamento no local. A mesma possuía Licença Ambiental de Instalação, que dá o direito de realizar obras para a edificação do depósito no local.

Em um levantamento preliminar foi possível encontrar alguns componentes de produtos químicos, entre eles: óxido de zinco 10%, etileno, glicol e hidróxido de potásio. Esses componentes podem gerar diversos tipos de reações químicas dependendo do ambiente, contato com a água e com o fogo. Eles estavam armazenados em bombonas que racharam e derreteram com o fogo, o que gerou o carreamento dos produtos para corpo hídrico.

O IAP lembra que é necessário aguardar os resultados laboratoriais das amostras colhidas no local, avaliar os danos à flora e fauna nativa, o trabalho de contenção e descontaminação do local para tomar medidas previstas em Lei.

Outras informações serão repassadas à medida que forem sendo apuradas para a imprensa e para a população.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Tag Cloud

%d bloggers like this: